Conselho Diário do Tarot #111 - Ser feliz ou ter razão?

06-08-2017

Aprendemos desde pequenos que não podemos levar desaforo para casa. Ninguém pode nos ofender, ninguém pode nos deixar para trás. Com isso, somos condicionados a nos defender, custe o que custar.

Nada errado em nos defender e defender o nosso ponto de vista. Mas, em certos casos, simplesmente não vale a pena.

Sabe aquele tipo de pessoa que não dá o braço a torcer, sempre quer ter a última palavra, quer ser o dono da verdade, não aceita um não como resposta? Este tipo de pessoa não é feliz.

Quantas vezes você já deixou de ficar em paz, ser feliz, apenas pelo gostinho de ter razão? Talvez você tenha terminado uma relação apenas por não querer ligar primeiro, se perdeu em algum lugar por achar que sabia o que estava fazendo...

Muitas vezes é melhor sair calado de uma afronta, deixar a outra pessoa falando sozinha, é melhor não entrar na briga, sair tranquilo dali, do que tentar ter a razão. Deixe a pessoa com a sua razão, fique com a sua felicidade.

Conta-se uma história de um sábio que foi afrontado por um homem bruto. Este homem ignorante chegou para este sábio e começou a ofendê-lo de todas as formas, mas o sábio não revisava as afrontas, ao contrário, sorria e agradecia, por mais ofensivas que fossem as palavras. Como o brutamontes percebeu que as suas palavras não surtiam efeito, começou a bater no sábio, que também não revidou e abençoou o seu agressor. Quando os díscípulos do sábio chegaram ao local, o homem, que também era covarde, fugiu.

Enquanto os discípulos cuidavam de seu mestre, um deles resolveu quebrar o silêncio e perguntou:

- Mestre, vimos, quando chegamos, que aquele homem o ofendeu e agrediu, mas tudo que o senhor fez foi abençoa-lo e agradecer. Por que abençoar a alguém que lhe fez tão mal?

O mestre, com muita tranqulidade, respondeu:

- Cada um dá o que tem de si mesmo.

O brutamontes saiu com sua raiva o consumindo, mas o sábio ficou com a sua paz.

Paz e Luz.